terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Um Amor de Aluguel- O livro 💚

A Capa
Olá! 💚💚💚💚

Aqui estou para falar mais uma vez do meu querido livro, amado e tão suado para publicar, aqui está ele que se chama Um amor de Aluguel.

Inspirado na musica Garoto de aluguel do cantor MPB Zé Ramalho, eu quis trazer algo novo para o meio literário, e foi graças a essa canção maravilhosa que assim nasceu Vilma e Miguel. 

Se caso não conheça a letra e a harmonia da música, não perca tempo e veja aqui: 
Link:

https://www.letras.com/ze-ramalho/66221/



Bom, mas deixa eu contar um pouco sobre o meu romance que foi lançado no final de 2015. O livro teve diversas resenhas e conheci muitos leitores e escritores, após o lançamento desse livro, que foge um pouco do que estamos habituados no meio literário nacional. Então, aqui a sinopse para vocês entenderem qual foi a minha intenção. 



"E quando a vida perde aquele brilho? Uma nova paixão pode consertar os sonhos que o destino roubou?
Vilma era uma mulher simples e de algumas batalhas conquistadas, vivia um casamento calmo e sem mais sonhos. No fundo, sentia que estava perto do fim, onde só esperava ter coragem para decidir o que fazer. Com a única filha, agora casada e grávida, ela começa se questionar o que ainda poderia acontecer na sua existência, onde estariam os sonhos deixados para trás. E, em uma noite, a sua vida simples muda completamente, quando se vê envolvida com um jovem rapaz que vive em um submundo, algo que Vilma jamais pensou que viveria. 
E você, pagaria para ter esse amor?
Miguel era um Anjo ou uma Perdição?
O jogo começou... Intenso e perigoso! Revelando fatos ocultos do passado e surpresas maldosas das pessoas a quem mais confiava"

Skoob :



Então eu conto primeiro sobre Vilma, uma mulher na beira do cinquenta anos e tem uma vida que todos podem dizer que é segura e feliz. Apesar de amar e cuidar do marido Alberto, a esposa sente que algo está faltando, ela que tanto fez por sua família, lutou a seu modo e venceu mesmo tendo um pai contra e apoiou em tudo que o marido queria e em muitos momentos fez vistas grossas para não perder o lar perfeito que tanto estava construindo. 
Vilma está prestes a ser avó, a filha é muito querida e amiga ao decorrer da historia.
E, as amigas da Vilma é um caso a parte, pois ela nunca condenou suas amigas que cada uma tem um temperamento, a mais próxima é a Lorena.
Lorena é as vezes uma boa e má amiga, que Vilma tem que saber lidar, pois muitos segredos poderiam ser revelados...
E lá tem Miguel, o garoto de programa, um rapaz que sabe seduzir e tem pequenos objetivos e um deles é quitar a divida com o misterioso Carvalho, que de quebra é amigo de longa data de Alberto e Vilma.
Será que contei demais?
Então não preciso dizer que Vilma e Miguel se envolvem e ao mesmo tempo que vivem algo que jamais pensariam em viver, ainda corriam perigo e perder tudo aquilo que suas vidas lutaram para ter e manter, que é a própria Vida.

Uma noite, uma dança e uma conversa quase sem importância mudou tudo na vida desses dois.

Vou deixar um trecho aqui para vocês: 

— Obrigado pela bebida, mas eu tenho dinheiro.
Ele estava chegando mais perto, segurando o copo e sorrindo.
— Não se preocupe, é apenas uma bebida – respondeu ela, tentando ser mais descontraída possível.
— Isso é verdade. Você não vem muito aqui, não é?
Então, ele a viu também, realmente estavam se olhando quase o tempo todo. Ela achou graça e disse:
— Não, hoje eu vim com uma amiga, e gostei do lugar, essa música mesmo é do meu tempo.
Vilma sentiu que o rapaz se aproximava um pouco mais, assim ela observava os seus olhos de um tom esverdeados, cabelos castanhos, um pouco ondulados, rosto de menino, alto, com jeito de quem malhava um pouco ou que deveria cuidar bem da saúde. Sim, muito bonito, bem vestido e perfumado.
Mais uma vez, ele abriu aquele sorriso, e sempre a fitava direto nos olhos. Em um tom divertido, falou:
— Do seu tempo? Imagina, não existe essa de tempo, nosso tempo é agora.
"Nosso tempo é agora".
— Mas, obrigado pela bebida.
— Não precisa agradecer.
— Já está indo embora?
Com certeza, ela nunca mais o veria.
— Já.
— E a sua amiga, cadê?
Era estranho ele ainda puxando conversa, mas Vilma deixou rolar.
— Sumiu, deve ter encontrado o gato que esperava e estão por aí.
— E você?
Ela quase poderia tocá-lo de tão perto que estavam.
— Eu? O que tem eu?
Vilma sorriu com a situação, pelo desafio, pela conversa boba. E pela troca de olhares.
— Cadê o seu gato?
— Eu não tenho, só fiquei pelas músicas.
Ele sorriu novamente, olhou para a pista e voltou para ela.
— Meu nome é Miguel.
Miguel...
— Prazer, Miguel. O meu é Vilma.
Eles não trocaram cumprimentos, apenas se olhavam e sorriam um para o outro.
Miguel tomou um gole da bebida.
— Obrigado novamente pelo drink, até uma próxima, Vilma.
E, assim, ele partiu. Vilma o viu se afastar, mas logo se recriminou por se sentir assim, tão triste por vê-lo partir.
A moça que a atendeu a noite inteira, antes de entregar a comanda, perguntou sem muitos rodeios:
— Não quis nada com o garotão?
— Ele é muito jovem e eu sou casada – respondeu Vilma, tentando sorrir e quase pronta para partir, mostrando a mão esquerda com a aliança.
— Mas isso não é problema para ele, não – declarou a moça. – Aquele garoto, aquela turma ali, não tem problemas com isso.
— Como assim?
— Ora, se você quiser, é só pagar. Aquele rapaz é um garoto de aluguel... Aliás, todos ali da roda são... É só fazer o preço e levar.



  Mais informações na pagina da autora.
  Exemplares para vendas também.
  livros e mais marcadores.

c Roberta Del Carlo c 

Todos os dias são apenas dias?

Já pararam para pensar como é que se passa o tempo?
Tempo de nascer, crescer, amadurecer e morrer.
Mas o que fazemos durante essa transição do tempo, vivemos, sim, mas como?
Será sonhando, chorando, discutindo, invejando ou até mesmo crescendo... mas para que lado, para onde?
Será que cada dia crescemos em algo, chegaremos em algum lugar e que lugar é esse é bom ou mau?
Trilhar é tão difícil ainda mais quando encontramos algumas pedras até mesmo aquelas que empurramos com o pé por ser pequenininha mas o que fazer com aquelas maiores, ou aquela que vem de surpresa...
Um dia mesmo que seja apenas um dia essa pedra chega de diferentes formas, com outros rostos e sorrisos umas vai chegar como um furação outras vem de mansinho pedindo um xícara de café pois o dia foi entediante...
Enfim, dias, o que você tem pra mim?
Realmente nada é tão igual...
O que reservou desde o momento em que o relógio despertou para mais um dia de sol ou de chuva...
e o que me reserva quando o sono chega para me leva para a escuridão para assim nascer mais um dia...



c Roberta Del Carlo c 

Refletindo...






Sou igual a todas as mulheres que tem dúvidas, transtornos, felicidades, firmamentos e medos. E sei que estou andando mas não junto com o mundo, aquele mundo....

c Roberta Del Carlo c 


Low Loght - Pearl Jam - Apenas uma Letra



Low Light

Clouds roll by
Reeling is what they say
Or is it just my way?
Wind blows by
Low light, sidetracked, low light
Can't see my tracks
Your scent way back
Can I be here all alone?
Clear a path to my home
Blood runs dry
Books and jealousy tell me wrong
I will feel calm
Voice blows by
Low light, car crash, low light
Can't wear my mask
Your first, my last
Voice blows by
Two birds is what they'll see
Getting lost upon their way
Wind blows by
Low light, eye sight, low light
I need the light, I'll find my way from wrong
What's real, the dream I see...


quarta-feira, 18 de maio de 2016

Decepção nossa de cada dia

Ela vem em algum momento da vida.

Trabalhando sempre na espreitar, pronta e altiva para nos atacar
Sempre quando estamos olhando para frente.
Ela chega!
Então você imagina que chegaria pelas costas, mirando a sua nuca, olhando a mesma imagem que você enxerga, acompanhando o ar que solta em seus pulmões.
Mas não foi assim. A direção é outra.
Ela vem de lado.
Ás vezes o lado esquerdo ou direito.




Ela chega aos seus ouvidos, levando a sua voz cheia de insinuações diretamente para o seu cérebro que manda direto para o seu coração, que gritar para os pulmões que bombeiam nervosamente, ligando tudo e todos de uma vez só.
A decepção faz o seu trabalho. Dá a volta pelas suas costas e sai caminhando lentamente, como se nada daquilo tivesse acontecido.
Então, você acha que ela foi atrás de outra vítima?
Não.
Por que se você não tomar cuidado, ela pode voltar...a qualquer momento. 

c Roberta Del Carlo c 


segunda-feira, 16 de maio de 2016

O canto das lavadeiras



(Cantiga do nordeste) 

Uma lavadeira um beija- flor 

Lavando os paninhos de nosso senhor

Quanto mais lavava o sangue escorria

Sua mãe chorava e o judeu sorria.
Duas lavadeiras duas beija flor

Lavando os paninhos de nosso senhor

Quanto mais lavava o sangue escorria

Sua mãe chorava e o judeu sorria.
Três lavadeiras três beija- flor

Lavando os paninhos de nosso senhor

Quanto mais lavava o sangue escorria

Sua mãe chorava e o judeu sorria.
Quatros lavadeiras quatro beija-flor

Lavando os paninhos de nosso senhor

Quanto mais lavava o sangue escorria

Sua mãe chorava e o judeu sorria.
Cinco lavadeiras e cinco beija –flor

Lavando os paninhos de nosso senhor

Quanto mais lavava o sangue escorria

Sua mãe chorava e o judeu sorria.


(imagens tiradas do Google) 

segunda-feira, 7 de março de 2016

A prova


Era mais um dia de prova. Quantas provas ela teria que fazer além daquela prova de matemática em uma manhã fria de setembro.

Será que toda prova que faria ao longo da vida, seria como aquela, que por sua vez quando o final for apresentado um vai olhar para o outro e vai saber quem se deu melhor e outro nem tanto. Esse era o sentindo da vida?
A moça que tanto começou a filosofar em cima daquela prova, olhando para aqueles números e regras e mais regras... Que tantas regras carregam a vida!
E num ímpeto incomum agiu no instante que um raio de ideias surgiu naquela hora.
“ Na vida terei tantas provas para passar, porque me prender em uma tão cheias de regras nas quais não entendo nada, todos passaram e todos repetiram...Não sei o que vai acontecer...só sei que essa prova hoje não me esforçarei ”



Três Leis de Kepler

E ela entregou a prova depois de colocar  os X dentro dos parentes () entregou a prova mas, uma coisa ela esqueceu, não colocou o nome.
A prova veio e voltou em branco, levando apenas os chutes de acertos com probabilidades para os erros.

E o resto? A vida se encarrega...



c Roberta Del Carlo c 

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Uma senhora varrendo a rua.

Era uma manhã fria e uma senhora vinha varrendo a rua. O vento não ajudava e papeis e pequenos entulhos voavam em desordem e se espalhavam, dificultando assim o trabalho da pobre mulher, de idade bem avançada.

Aquela senhora não estava varrendo a frente da sua casa, ou um jardim com qual simpatizava, aquele era o seu ganha pão.
Muitos passam por ela e nem mesmo a notava e não percebem o seu cansaço, não sabem da sua historia, não sabe como é o seu dia ou simplesmente sentem dó e seguem em frente.
Toda a manhã lá estava àquela mulher varrendo as ruas do quarteirão, assim que terminava voltava com as vassouras e um carrinho para o deposito municipal.

Depois de se despedir dos demais trabalhadores, voltava para a casa simples, terminava o almoço e passava roupa ou saia a procura de lugar mais barato para comprar os seus mantimentos e da sua família.
Era ruim quando o dinheiro não dava para quitar as contas, mas antes ficar uns três dias sem mistura, do que deixar a conta da luz ser cortada e pior ainda é a água pois a vizinha não deixaria encher os baldes para suprir a necessidade de uma casa.

A mulher era mãe, avó e tia.
Um dia foi filha, menina e amada.

É uma pena que a outra senhora, aquela do sobrado e do quintal grande e quem têm os filhos formados e um marido financeiramente bem, e os netos estudam em escolas particulares, era uma pena que essa mulher, achava que a outra que varria as ruas todas as manhãs debaixo de sol e de chuva, não tinha metas na vida.

Triste dias...E a sujeira nunca que tem o seu fim.


c Roberta Del Carlo c