segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Uma senhora varrendo a rua.

Era uma manhã fria e uma senhora vinha varrendo a rua. O vento não ajudava e papeis e pequenos entulhos voavam em desordem e se espalhavam, dificultando assim o trabalho da pobre mulher, de idade bem avançada.

Aquela senhora não estava varrendo a frente da sua casa, ou um jardim com qual simpatizava, aquele era o seu ganha pão.
Muitos passam por ela e nem mesmo a notava e não percebem o seu cansaço, não sabem da sua historia, não sabe como é o seu dia ou simplesmente sentem dó e seguem em frente.
Toda a manhã lá estava àquela mulher varrendo as ruas do quarteirão, assim que terminava voltava com as vassouras e um carrinho para o deposito municipal.

Depois de se despedir dos demais trabalhadores, voltava para a casa simples, terminava o almoço e passava roupa ou saia a procura de lugar mais barato para comprar os seus mantimentos e da sua família.
Era ruim quando o dinheiro não dava para quitar as contas, mas antes ficar uns três dias sem mistura, do que deixar a conta da luz ser cortada e pior ainda é a água pois a vizinha não deixaria encher os baldes para suprir a necessidade de uma casa.

A mulher era mãe, avó e tia.
Um dia foi filha, menina e amada.

É uma pena que a outra senhora, aquela do sobrado e do quintal grande e quem têm os filhos formados e um marido financeiramente bem, e os netos estudam em escolas particulares, era uma pena que essa mulher, achava que a outra que varria as ruas todas as manhãs debaixo de sol e de chuva, não tinha metas na vida.

Triste dias...E a sujeira nunca que tem o seu fim.


c Roberta Del Carlo c 
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lixo

Uma vez, eu vi uma formosa rosa ser jogada na lata do lixo e fiquei com dó. Logo pensei no cuidado que aquela rosa teve para “viver” e qu...