quarta-feira, 11 de março de 2015

O pescador e o Executivo

O céu é o mesmo por cima de nossas cabeças, mas, o que muda é forma de como o observamos.


O olhar de um pescador e de um executivo.
O pescador acordou e olhou para o céu e o que viu foi um manto negro com estrelas. E antes de deixar a sua casa e a sua família, fez uma oração para que a pesca naquela madrugada fosse farta.

O executivo acordou em seu quarto confortável, numa cobertura luxuosa e como sempre foi ordenado para os empregados para que não abrissem as janelas antes das dez da manhã.

O pescador voltava com o seu barco que precisava de uma nova camada de tinta, com os cestos pela metade, o dia não tinha sido bom e ainda tinha que ser rápido para vender na feira de pescado e torcer para que o comprador dessa vez  dê um preço justo.

O executivo preso no trânsito em  seu carro blindado com  motorista, que nem sabia ao certo se o chamava  José ou João. E o hábito de ler o jornal é que nunca tinha mudado ainda mais em momentos de crises, na verdade o país vivia em crise!
E que logo dezembro chegue para assim viajar com a terceira esposa e os filhos universitários para  esquiarem na Europa.

O pescador ficou sem jeito quando viu os filhos chegarem da escola carregados seus livros, mas só que mais uma vez naquele mês não daria para comprar o tênis novo para o filho. E a esposa compreensiva, tinha pegado mais roupas para costurar.
A tarde, foi no bar onde ficavam os outros pescadores e trabalhadores e não quis pendurar mais nada no bar do seu Getúlio, pois o café de casa só iria durar mais dois ou três dias e caso não tivesse dinheiro iria pendurar mais meio quilo de pó.

O executivo almoçou ao lado de pessoas importantes da sua mesma linhagem e de interesses em comum, no final daquele almoço num lugar tão refinado, sem muito olhar em volta e pagou aquele almoço e o vinho mais caro do lugar, com grande satisfação.




O pescador ouviu uma conversa  no bar do seu Getúlio que um dos moradores da vila, tinha ido para cidade e, trabalhava numa fabrica ou algo assim e que ganhava bem fazendo horas extras e tinha carteira assinada e morava num prédio com sala e dois quarto. O pescador voltou para casa pensando naquela possibilidade, na segurança que poderia dar a sua família.

O executivo tentou uma manobra naquela tarde na bolsa de valores, aproveitando o palpite de um caro colega. Quase varou a noite para fechar aquele negocio. E quando chegou em casa, foi então que lembrou do jantar que sua esposa tinha marcado a mais de um mês. Agora ela dormia no quarto ao lado e na sala da cobertura tinha estilhaços de algumas taças pelo chão.

O pescador estava decidido iria para a cidade, trabalharia em tudo que aparecesse e quem sabe daqui um tempo, voltaria para o seu mar.

O executivo depois de uma manhã cheia e conturbada em casa e na empresa sentiu uma dor e acordou em uma cama de hospital.

O pescador junto com a família começava a construir bloco por bloco um muro alto e sem fim, dia a após dia, de sol a sol.

O tempo passou...

O executivo recebeu ordens médicas e foi relaxar perto do mar, mas já estava entediado com o balanço do mar, o céu azul e até das caminhadas na areia da praia que já não achava graça alguma. A saudade dos edifícios de concreto, que avistava da sua sala onde ficava horas e horas olhando da janela as luzes acesas, os carros que pareciam miniatura, os aviões sobrevoando o céu. Pra ele isso era vida.

O pescador cansado com o ritmo da cidade, do ar, da correria, o dinheiro que vem e que vai e todo o consumismo e as filas em tudo que precisava tanto na urgência como para a diversão, estava cansado e estava com saudades do mar, do céu e do velho barco.

Mas, os dois tinham que viver, manter o que tinham mesmo sendo tudo ou mesmo sendo o nada.
Presos e infelizes em seus mundos numa rotina impostas por outros homens.


Fim


c Roberta Del Carlo c 

3 comentários:

  1. Dois mundos diferentes. Rotinas que entendiam ricos e pobres.

    ResponderExcluir
  2. Que texto lindo... Vivemos presos em mundos que muitas vezes não sonhamos, mas que necessitamos... Parabéns Rô... adorei!

    ResponderExcluir
  3. Del Carlo, sua visão magnânima é realmente inspiradora. Aliás, estenderia o texto - que, para mim, mais parece uma crônica divina - e o transformaria em livro, confio na sua capacidade para isso. Explore os dois mundos, avive os personagens, dando-lhes nomes. Obviamente, esqueci os pormenores, como erros de pontuação, sendo que não encontrei nenhum lapso gramatical. E tudo por culpa da essência primorosa das suas palavras. Faça com que ambos se encontrem em determinado momento, pescador e empresário executivo, cruze os destinos... um precisará do outro, tal como o médico necessita do mecânico para fazer seu carro funcionar e, assim, seguir à sua jornada de trabalho: salvar vidas. Compreende?
    Enfim, apenas uma sugestão dessa que já se tornou sua fã.
    Um grande beijo!!!

    ResponderExcluir

Lixo

Uma vez, eu vi uma formosa rosa ser jogada na lata do lixo e fiquei com dó. Logo pensei no cuidado que aquela rosa teve para “viver” e qu...